18/10/2017

«Chegada a Hora» - o novo romance de Jeffrey Archer marca o regresso das Crónicas de Clifton

«Chegada a Hora» - intriga e paixão numa época de confrontos históricos marcam o regresso das Crónicas de Clifton 
O novo romance de Jeffrey Archer, finalmente em Portugal 

Data de lançamento: 20 de outubro de 2017  

«Chegada a Hora» é o sexto livro da saga épica Crónicas de Clifton, do aclamado autor britânico Jeffrey Archer, que chegará às livrarias no dia 20 de outubro. Neste penúltimo capítulo da apaixonante série o suspense é uma constante, prometendo prender o leitor da primeira à última página.

Os anos 70 do século XX não descortinam tranquilidade para as famílias Clifton e Barrington. Um acontecimento inesperado e devastador, um bilhete de suicídio, é catalisador de duras consequências para os protagonistas Harry e Emma Clifton, assim como para Giles Barrington e Lady Virginia Fenwick. Com uma época de confrontos e tensões políticas como pano de fundo, os golpes do destino sucedem-se, obrigando as personagens centrais a fazer escolhas penosas em diversas circunstâncias. Irá a força do amor e da honra triunfar ou prevalecerá o peso do destino? Um desfecho impensável abre caminho para o próximo e derradeiro capítulo desta crónica que se estende ao longo do século XX.

Com uma escrita cativante, marcada pela intriga e paixão, Archer volta a envolver o leitor numa narrativa repleta de figuras e enredos complexos, alternando entre acontecimentos trágicos e momentos hilariantes, sempre pautados por um retrato vívido dos grandes eventos históricos do século passado.

«Um contador de histórias da estirpe de Alexandre Dumas… um talento inultrapassável.» - Washington Post -

«Um dos maiores contadores de histórias do mundo.» Los Angeles Times
«Uma saga de leitura compulsiva, capaz de fazer parar o coração.» Publishers Weekly

Sobre o autor:
Jeffrey Archer tem mais de 250 milhões de exemplares vendidos em 97 países e 37 línguas. É autor de 16 romances, seis coleções de contos, três peças de teatro, três volumes do seu diário da prisão e um evangelho. É o único autor que foi número 1 em ficção (15 vezes), contos (quatro vezes) e não ficção (Os Diários da Prisão). Archer é casado com Dame Mary Archer DBE, têm dois filhos e vivem em Londres e Cambridge. 


Novidade Editorial Presença - Desapareceram.... de Haylen Beck

Desapareceram....
Haylen Beck
Coleção: Grandes Narrativas675
Data 1ª Edição: 19/10/2017
Nº de Páginas: 328
PVP: 17,90€
 
Audra anseia chegar à Califórnia. Finalmente arranjou coragem para fugir do marido que a maltrata, podendo assim proporcionar a si e aos seus dois filhos um novo começo. Juntamente com Sean e Louise, atravessa o país, por estradas secundárias, discretamente e com toda a cautela para não chamar a atenção.
Quando um inquietante xerife a manda parar em pleno deserto do Arizona, Audra faz tudo para se manter calma e esconder o nervosismo. Tem mesmo de o fazer. Mas, ao revistar a carrinha de Audra, o xerife tira da bagageira um saco com marijuana que ela nunca tinha visto e o seu estado de nervos transforma-se em pânico. Ela julga que aconteceu o pior. Mas está enganada. O pior ainda está para vir.
Com um ritmo de tirar o fôlego e de um suspense implacável, Desapareceram... é um thriller perfeito sobre a luta de uma mulher contra o mal inimaginável, para salvar o que há de mais importante na sua vida. Chocante até à última página.

Citações
«Uma das melhores estreias literárias do ano. Recomendo vivamente.» | Harlan Coben, autor bestseller do New York Times
«Uma história perturbadora e carregada de tensão que nos prende desde a primeira página. Desapareceram… é assustadoramente realista do início ao fim.» | Associated Press
«Este livro é uma autêntica montanha-russa, com uma tensão angustiante e uma heroína por quem só podemos torcer. Merece tornar-se um bestseller.» | Daily Mail
«As reviravoltas entusiasmantes mantêm-nos agarrados às páginas.» | Library Journal
 
Sobre o autor:
Haylen Beck é o pseudónimo de Stuart Neville, um conhecido autor de romances policiais internacionalmente aclamado e premiado. Foi distinguido com o Los Angeles Times Book Prize pela série policial protagonizada por Serena Flanagan, cuja ação decorre em Belfast, e foi nomeado para o Edgard Award. As suas obras têm figurado nas listas dos melhores livros do ano de diversos jornais, como o New York Times, o Los Angeles Times e o Boston Globe. Os romances que assina como Haylen Beck decorrem nos EUA e são inspirados pela sua admiração pela ficção policial americana. Desapareceram... tem direitos de tradução vendidos para publicação em diversas línguas, tendo os direitos cinematográficos sido adquiridos pela Random House Studio em conjunto com a Meridian Entertainment.
 
Pode ler mais sobre o livro no site da Editorial Presença aqui 
 
 
 
 

Nicholas Sparks em Lisboa este sábado, dia 21 de outubro

21 de Outubro pelas 17h, no Antigo Museu dos Coches - Conversa com Nicholas Sparks, conduzida por Fátima Lopes. O evento inclui sessão de autógrafos com o escritor.

O escritor bestseller norte-americano regressa a Portugal no âmbito da apresentação do seu último romance, Só Nós Dois, que é dedicado aos seus fiéis leitores.

Nicholas Sparks, o escritor estrangeiro que mais vende em Portugal e que reúne milhões de fãs em todo o mundo, vem a Lisboa para um encontro com os seus leitores no âmbito da tour europeia de apresentação do seu 20.º romance, Só Nós Dois.
O reencontro do escritor bestseller norte-americano com o público português terá lugar este sábado, dia 21 de outubro, às 17 horas, no Picadeiro Real (antigo Museu dos Coches), em Lisboa. Este acontecimento será marcado por uma conversa entre Nicholas Sparks e Fátima Lopes, seguida de uma sessão de autógrafos com o escritor. A apresentadora Fátima Lopes será a anfitriã do encontro que reunirá o autor com os seus leitores que há tanto tempo ansiavam pelo regresso de Nicholas Sparks a Portugal.
Com 21 livros publicados nos últimos 21 anos, Nicholas Sparks já vendeu mais de 108 milhões de exemplares em todo o mundo e as suas histórias consolidaram-no como um dos mais aclamados escritores da atualidade. Todos os seus livros são bestsellers do New York Times e estão traduzidos para mais de 50 línguas. Onze dos romances de Nicholas Sparks já foram adaptados para cinema, sendo Uma Escolha Por Amor (2016) o filme mais recente.
Nicholas Sparks escreveu o livro que deu início à sua carreira meteórica e um dos seus títulos mais famosos, O Diário da Nossa Paixão, com apenas 28 anos. A ASA publica agora esta história de amor que comoveu milhões de leitores e levou o mundo a render-se à escrita de Nicholas Sparks. O Diário da Nossa Paixão chega hoje às livrarias.

17/10/2017

Porto Editora: Revelados os segredos de uma "Lisboa Desconhecida & Insólita"

Título: Lisboa Desconhecida & Insólita  
Autor: Anísio Franco  
Págs: 176 
PVP: 18,80 €

Anísio Franco mostra o que se esconde nas sombras projetadas pela luz de Lisboa

Múmias conservadas em criptas? Uma freira que viveu como uma princesa? Museus esquecidos no tempo e mártires em terra alheia?  São estas algumas das histórias que Anísio Franco, historiador de arte e conservador no Museu Nacional de Arte Antiga, partilha em  Lisboa Desconhecida & Insólita, a publicar pela Porto Editora.  Ao longo de quase 200 páginas acompanhadas de fotografias e gravuras, o autor mostra o lado secreto da cidade de Ulisses, revelando histórias crípticas, factos curiosos ou episódios rocambolescos (como uma coleção de peles tatuadas ou uma tiara real desaparecida). Lisboa Desconhecida & Insólita, que conta também com uma edição em inglês, chega às livrarias no dia 19 de outubro e será lançado no mesmo dia, no Palácio Foz (Praça dos Restauradores), a partir das 18:00. A apresentação estará a cargo de Rui Afonso Santos.  

SINOPSE 
Lisboa, cidade banhada por uma luz mágica, tão clara e tão límpida. Todos conhecem esta faceta da cidade, poucos conhecem as sombras misteriosas que essa luz projeta. As histórias que aqui vai encontrar iluminam um pouco dessas sombras que escondem episódios por vezes rocambolescos, outros de um realismo cru, outros ainda envoltos numa ironia hilariante e ainda alguns que lhe poderão causar arrepios. Múmias conservadas em criptas, cidades sepultadas, freiras que viveram como princesas, museus esquecidos no tempo, estátuas que não ficam quietas, um enigmático castelo, serpentes que guardam o futuro rei… são apenas alguns dos episódios escolhidos ao acaso das muitas histórias misteriosas que se poderiam contar sobre Lisboa. É uma Lisboa desconhecida e insólita aquela que o leitor irá descobrir nas páginas deste livro. 

O AUTOR 
Anísio Franco é licenciado em História da Arte e conservador no Museu Nacional de Arte Antiga. Tem desenvolvido vários estudos no campo da História da Arte em Portugal e comissariou várias exposições de arte em Portugal e no estrangeiro. Paralelamente, tem guiado inúmeras visitas de teor cultural, pela cidade de Lisboa, pelo país e pelo mundo desde, pelo menos, 1988.  Da sua multifacetada carreira destacam-se ainda a participação em programas televisivos no âmbito da história da arte portuguesa e a participação em filmes, documentários e séries. Podemos também encontrá-lo como personagem real (com o seu próprio nome) no romance de Valter Hugo Mãe, a máquina de fazer espanhóis. Publicou Histórias de Antiguidades, uma coletânea de crónicas que sintetizam a visão que tem sobre a forma de ver o mundo e a arte.  É autor de Caminhar por Lisboa, publicado pela Porto Editora. 

 

Porto Editora - Uma nova voz da jovem literatura portuguesa: Carla Pais

Título: Mea Culpa 
Autor: Carla Pais 
Págs.: 208 
PVP: 16,60 €

Autora estreia-se com Mea Culpa, que esteve indigitado para vencer o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís
Mea Culpa é o primeiro romance de Carla Pais, uma obra reveladora de grande talento literário que anuncia uma nova voz na literatura portuguesa e que é publicada pela Porto Editora a 23 de outubro. Na escrita segura, dura e poética de Carla Pais, Mea Culpa fala sobre os marginalizados de uma aldeia remota portuguesa, vítimas de uma sociedade condenatória e decadente, onde ninguém é quem parece ser. O livro esteve indigitado para o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís, que acabou por não lhe ser entregue pelo facto de a autora ter já publicado uma pequena obra de caráter ficcional, o que ia contra o regulamento. Carla Pais, emigrante há cinco anos em Paris, vai regressar a Portugal para lançar esta novidade a 2 de novembro, às 18:30, no Le Consulat (Praça Luís de Camões, Lisboa). A apresentação estará a cargo de Ana Margarida de Carvalho.

SINOPSE 
Amadeu Jesus é um homem a quem Deus roubou a fé, um corvo definhado que perdeu o norte do ninho. Briosa tem olhos grandes de silêncio e fome de mundo, e um irmão-menino que não sabe falar. Cândida Jesus pariu um assassino e por isso se fez puta. Em dia de Nossa Senhora de Fátima, um inocente sai do inferno onde passou dez anos e uma menina de corpo feito pestaneja mais do que os olhos ao desejo.  Do lado errado da aldeia dividida a meio pelo fio de água da nascente, um novo amor nasce como as papoilas do cemitério. E os dois, sem mais mundo, planeiam atravessar os vales e as montanhas com os pássaros, para saber como é a liberdade por lá. Ao seu lado vai o cão.

A AUTORA 
Carla Pais nasceu em Leiria, em 1979. Abandonou a escola aos dezassete anos para ser mãe, terminando mais tarde o 12.º ano à noite. Em 2012 decidiu instalar-se de armas e bagagens em França, onde fez limpezas, embalou salmão e tomou conta de crianças. Hoje é empregada de escritório num Centro de Formação à Distância.  Em 2015 venceu o Prémio Literário Horácio Bento Gouveia com o conto «A Alma do Diabo». No mesmo ano obteve também o terceiro lugar no concurso de poesia Agostinho Gomes com o poema «Assimetria dos Lábios». Em 2016 o seu conto «O búzio do meu pai» foi selecionado para integrar a antologia de contos A Infância, promovida pelo Centro de Estudos Mário Cláudio.  Em 2017 a sua obra A Instrumentação do Fogo arrecadou o Prémio de Poesia Francisco Rodrigues Lobo. Indigitado para o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís de 2016, o presente romance, Mea Culpa, acabou por não o obter, dado que a autora tinha publicado anteriormente uma outra obra de carácter ficcional, o que o regulamento não permitia.

IMPRENSA 
Com a rentrée chega uma voz nova à literatura portuguesa: Carla Pais. José Riço Direitinho, Público
Um romance que transporta o leitor para um duro patamar de existência humana e social. Miséria e decadência sob formas violentas, que vão do incesto a diversos modos de servidão, [que] circunscrevem relações humanas envenenadas por injustiças e desesperos. Júri do Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís  

Excerto de Mea Culpa  
O dia de Nossa Senhora de Fátima está quase a morrer. Falta um minuto. São vinte e três horas e cinquenta e nove minutos no relógio da torre. Àquela hora, os candeeiros parem uma luz morna que se esfrega com preguiça nas sombras da praça, alumiam os pés em contraluz e deixam os olhos enterrados no silêncio das almas perdidas. Não há ninguém por ali. As portas da igreja estão fechadas. Os santos adormecidos sob o volume das esmolas ficam presos naqueles altares de madeira restaurada, de mãos postas a Deus, enquanto o dia não clareia e se voltam a soprar uns credos, uns perdões de mão ao peito.
 

 

Conheça a vida de Aristides de Sousa Mendes contada pelo neto António Moncada S. Mendes

No dia que se assinalam os 100 anos das aparições de Fátima aos 3 pastorinhos, a Desassossego publica a história desconhecida de Aristides Sousa Mendes escrita pelo seu neto, António Moncada de S. Mendes, onde é descrita, entre outras, a história de como a “intervenção” da irmã Lúcia salvou a vida de uma filha de Aristides Sousa Mendes.

Aristides de Sousa Mendes. Memórias de um Neto, é uma obra única que retrata o lado mais pessoal do corajoso cônsul que salvou dezenas de milhares de vidas do Holocausto na II Guerra Mundial. Um livro repleto de histórias desconhecidas contadas pela mão de um neto.

Sinopse:
O percurso corajoso e inspirador de um homem que salvoua vida de milhares de inocentes A história do cônsul Aristides de Sousa Mendes, e de como desafiou as ordens de Salazar para salvar as vidas de 30.000 refugiados durante a II Guerra Mundial, é hoje um legado de coragem e nobreza que constitui um orgulho para todos os portugueses. Mas quem era Aristides de Sousa Mendes? Por trás da figura heroica esconde-se um homem complexo, profundamente íntegro e religioso, devoto à família e ao país, e que foi forçado a fazer uma escolha terrível entre a sua consciência e o dever profissional, sabendo que as consequências para si seriam implacáveis.Com recurso a um extenso arquivo fotográfico e documental, em grande parte inédito, o seu neto, António Moncada S. Mendes, desvenda o lado pessoal do cônsul e da sua família, lançando assim uma nova luz sobre a figura de um diplomata que se sacrificou para salvar a vida de muitos inocentes.

Sobre o autor: 
António Moncada S. Mendes é licenciado em Ciências Políticas e possui um mestrado em Estudos Russos (Teatro) obtido na Universidade de Montreal, Canadá. Com o seu primo Álvaro Alpoim de Sousa Mendes, dedicou-se à difusão da memória do seu avô no início dos anos 90 e em 2000 aceitou 
o convite deste primo para criarem a Fundação Aristides de Sousa Mendes.

14/10/2017

Porto Editora: Robert Muchamore em Portugal para celebrar 10 anos de CHERUB Entrada x

Robert Muchamore em Portugal para celebrar 10 anos da CHERUB Escolas e livrarias em Lisboa e Porto recebem autor da coleção que pôs os jovens a ler

De 20 a 23 de outubro, a celebração do décimo aniversário da coleção CHERUB em Portugal atinge o seu ponto alto com a visita do autor  Robert Muchamore. Durante estes dias, o britânico tem encontro marcado com centenas dos seus leitores, em escolas e livrarias da região de Lisboa e no Porto.  Com mais de meio milhão de exemplares vendidos em Portugal, as aventuras dos recrutas CHERUB, o braço juvenil – formalmente inexistente – dos serviços secretos britânicos, têm cativado a imaginação dos jovens leitores. A coleção é caracterizada pelos pais como “evangelizadora da leitura” e descrita pela comunicação social como a “coleção que conquista milhões de jovens”. A celebração do décimo aniversário desta coleção incluiu também a reedição de 12 títulos, com uma linha gráfica completamente renovada, e a oferta de milhares de exemplares de O Recruta durante a Feira do Livro de Lisboa.
 
10 anos de CHERUB - AGENDA
DATA e    ONDE  
LISBOA 
20 outubro  10:30 –12:00 Encontro com alunos na E.B.,2,3 Frei Gonçalo Azevedo, São Domingos de Rana  
20 outubro  14:30 –16:00 Encontro com alunos no Escola Salesiana Manique 
20 de outubro 18:00 Encontro com leitores na FNAC do Colombo. 
21 de outubro 11:00 Sessão de autógrafos na Bertrand do Chiado 
PORTO
22 outubro  10:40 Encontro com leitores na livraria Lello e sessão de autógrafos 
22 outubro 18:00 Sessão de autógrafos na FNAC Norteshopping 
23 de outubro 10:30 – 12:00 Encontro com alunos no Externato Ribadouro 
23 de outubro Encontro com alunos no Colégio do Rosário 

O AUTOR 
Robert Muchamore nasceu a 26 de dezembro de 1972, em Islington, Inglaterra. Trabalhou durante treze anos como detetive privado, mas abandonou a profissão para se dedicar à escrita a tempo inteiro. Costuma levar quatro a cinco meses a escrever um livro, sendo que dedica o primeiro à pesquisa e o segundo à planificação da história. Só depois escreve. Segundo o próprio, tentar escrever aquilo que gostaria de ter lido aos 13 anos de idade foi a principal razão para a criação da coleção CHERUB. 

Quinta Essência - Um irresponsável conto de fadas erótico para adulto.



MEMÓRIAS DE UMA CORTESÃ
Wray Delaney
Páginas:376
PVP 16,90€ 
Ebook 11,99€

Wray Delaney, acredita que existe um forte vínculo entre o mundo da imaginação da infância e o amor erótico adulto. Assim, ao misturar vários géneros – erotismo, ficção histórica, realismo mágico – a autora cria algo muito original.  
Um romance erótico, imoral e divertido, passado na cidade de Londres do século XVIII

Uma história forte é apresentada ao leitor, ao longo do livro, dando a conhecer a jovem Tully que chegou a ser a mulher mais desejada de Londres. Agora, todos disputam os melhores lugares para assistir à sua execução. Ela sabe que tem apenas uma hipótese de escapar à forca. Para tal, tem de conseguir contar a história da sua vida à única pessoa capaz de a salvar.

Nas catacumbas da prisão de Newgate, Tully aguarda... E escreve com a emoção de quem luta pela vida. Casada à força aos doze anos para saldar as dívidas de um pai alcoólico, consegue escapar apenas para ser despachada para o bordel mais sumptuoso da cidade, onde descobre a sua vocação como cortesã. Tully Truegood é órfã, cortesã e aprendiza de um feiticeiro. Será também assassina?

Pleno de erotismo e realismo mágico, Memórias de uma Cortesã é uma magnífica viagem ao submundo londrino do século XVIII.

Sobre a autora:
Wray Delaney é o alter ego de Sally Gardner, autora premiada de contos para crianças, oriunda de Birmingham. Estudou Arte na St. Martin’s Art School e trabalhou em teatro.
E, apesar de sofrer de dislexia, resolveu enveredar pela escrita, tendo sido tremendamente bem-sucedida na área da literatura infantil (vendeu já mais de 2 milhões de exemplares e as suas obras estão traduzidas para 22 línguas). Memórias de uma Cortesã é a sua primeira incursão na ficção para adultos.


Novidade Cultura - «Quero que outras mulheres não passem pelo que estou a passar. Conto contigo?»



ELZA, MINHA LUZ 
Almerinda Romeira e Edite Esteves
Género: Não-ficção 
Histórias de Vida 
Nr. Págs: 176 
PVP: 15,50€ 
Data de Publicação: 13/Out/2017

No âmbito do movimento "Onda Rosa" do Dia Mundial da Saúde da Mama, a 15 de outubro, e do Dia Nacional de Luta Contra o Cancro da Mama, a 30 de outubro.

SESSÃO de LANÇAMENTO
 FNAC Centro Comercial COLOMBO 18 de outubro, pelas 18h30

SINOPSE
A HISTÓRIA INSPIRADORA E EMOCIONANTE DA FORÇA DE VIVER DE UMA MULHER
 Elza, Minha Luz é o relato de uma história verídica, passada no Sul de Portugal, e escrita a quatro mãos por duas jornalistas algarvias. Cumpre-se, desta forma, um pedido feito por Elza, a figura central deste livro: alertar o mundo para todos os pequenos e grandes sinais do corpo, especialmente quando se trata de cancro. Mas Elza, no seu diário, deixou ainda notas sobre a forma como lidar com a doença em família, o que fazer, como falar com os filhos. Esse diário inspirador e comovente de uma jovem mãe alegre e cheia de luz, que morreu aos 39 anos vítima de um cancro fulminante, é a principal fonte deste tributo, que conta ainda com testemunhos da família, amigos e especialistas da doença. Um livro tão pessoal como informativo, tão emocional como esclarecedor, que nos alerta, nos conforta e nos faz celebrar a vida.

AS AUTORAS
Almerinda Romeira. Nasceu em São Bartolomeu do Sul, concelho de Castro Marim, em 1959 e formou-se em Comunicação Social no ISCSP. Jornalista desde 1988, atualmente no Jornal Económico, com presença regular no Jornal do Algarve, pertenceu aos quadros de A Capital, O Independente, Fortunas & Negócios e OJE, tendo editado ainda o 1º. Emprego, do Correio da Manhã. Prémio Inatel de Jornalismo em 1999, é autora de Portugal Entre Gerações e integra a colectânea 50 Histórias de Quem Foi Criança, com o conto A Estrela do Avô.  

Edite Esteves. Jornalista e escritora, nasceu em Faro, há 72 anos. Com formação em Filologia Germânica na Faculdade de Letras de Lisboa, exerceu jornalismo durante 33 anos no jornal A Capital, onde foi chefe de redacção-adjunta, redactora-principal, grande repórter, editora, colunista e cronista. Foi formadora no Cenjor – Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas. Autora do livro Irene – É Possível Renascer, colaborou na antologia de poesia e prosa Nas Margens da Solidão, em prol da SOS Voz Amiga. É editora e jornalista da revista Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores.